Naturopatia remete à idéia de tratamento através de meios naturais. Abordando corpo, mente e espírito. Seus métodos incluem prática corporal, meditação, respiração, alimentação natural com indicação de um Tratamento com Produtos Naturais específicos para cada enfermidade. Agende seu atendimento.

E-mail : dionezardin@hotmail.com

Fones : (51) 9973 1350

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Intoxicação com Alumínio




Se seu cabelo está caindo, desconfie do alumínio... 
Esse metal, quando é excessivo no organismo,
 provoca grande oleosidade no couro cabeludo,
que vai sufocar a raiz dos cabelos.

Usar xampus contra a oleosidade ajuda, mas se você
 não eliminar a causa, vai perder muito cabelo. 
Muitas vezes, a queda de cabelos vem
acompanhada de dormências ou formigamentos, 
quando se fica na mesma
posição (com as pernas cruzadas, por exemplo).

Além dos seus cabelos, todo o seu organismo
 está sendo prejudicado: o alumínio 
deposita-se no cérebro, causando o mal de Alzheimer
(esclerose mental precoce) e expulsa o cálcio dos ossos, 
produzindo a osteoporose.

Esse cálcio vai se depositar em outros lugares,
 produzindo bursite, tártaro nos dentes, bico de papagaio, 
cálculos renais...

E também vai para dentro das suas artérias, 
estimulando a pressão alta e a possibilidade
 de isquemias cardíacas (infarto),
 cerebrais (trombose) e genitais (frigidez e impotência).

Para o Dr. Mauro Tarandach, da Sociedade 
Brasileira de Pediatria, está bem claro o papel 
do alumínio nas doenças da infância, 
graças ao avanço da biologia molecular, no que tange 
ao papel dos oligoelementos na fisiologia e na patologia.

Os sintomas clínicos da intoxicação por alumínio
 nas crianças, além da hiperatividade e da 
indisciplina, são muitos: anemia microcítica
hipocrômica refratária ao tratamento com ferro, 
alterações ósseas e renais, anorexia e até psicoses, 
o que se agrava com a continuidade da
intoxicação.

Atualmente se utiliza a biorressonância para avaliar
 o nível do alumínio e outros metais. O método é muito
 menos dispendioso, podendo ser utilizado no 
consultório ou na casa do paciente.

E como o alumínio entra no organismo?

Através das panelas de alumínio, 
por exemplo, que vêm sendo proibidas
em muitos países do mundo.

Na Itália, famosa por seus restaurantes, 
nenhum deles pode usar essas
panelas, devido à proibição do governo italiano.

É que as panelas de alumínio contaminam
 a comida intensamente.

Para você ter uma idéia: pesquisa da Universidade
 do Paraná demonstrou que as panelas vendidas
 no Brasil deixam resíduos de alumínio nos
alimentos, que vão  de 700 a 1.400 vezes 
acima do permitido.

Isso só ao preparar a comida. Se esta ficar guardada
 na panela, por algumas horas, ou de um dia para
 o outro, esse valor pode triplicar ou
quintuplicar.

Viu por que vale a pena trocar de panelas?

Mas não é só!
 Sabe as latinhas de refrigerantes e cervejas, 
 hoje tão difundidas no Brasil? 
Pesquisas do Departamento de Química da PUC
demonstrou que elas não são fabricadas de acordo
 com os padrões internacionais.

Em consequência, seu refrigerante predileto 
pode conter quase 600 vezes mais de alumínio do 
que se estivesse em garrafa.

E além do alumínio, foram demonstrados, 
pelo mesmo estudo, mais 12 outros metais
 altamente perigosos para a saúde, nessas latinhas, 
como o manganês, que causa o mal de Parkinson, 
o cádmio, que causa psicoses, o chumbo, encontrado 
no organismo de muitos assassinos, e
outros mais.

Prefira SEMPRE as garrafas de vidro!

Descoberto em 1809, o alumínio é um metal muito leve
 (só é mais pesado do que o magnésio) e já  foi muito caro. 
Naquela época, Napoleão III, imperador da França,
 pagou 150 mil libras esterlinas (mais ou menos
300 Mil reais) por um jogo de talheres de alumínio.

Esse metal tem espantosa versatilidade, 
sendo utilizado em muitas
ligas metálicas.

Depois do aço, é o metal mais usado no mundo,
 seja em panelas, embalagens aluminizadas,
 latas de refrigerantes e cervejas, antiácidos
e desodorantes antitranspirantes, assim como 
vasilhames para cães e
gatos comerem e beberem.

Nestes, pode causar paralisia dos membros posteriores, 
o que leva ao sacrifício precoce dos animais.

(Dr. Sérgio Teixeira)

3 comentários:

  1. Olá...

    Amei tudinho por aqui, tem muitas informações de utilidade pública, voltarei com mais tempo para passear e aproveitar um pouco mais. Sou adepta a tudo quanto nos leva a forma saudável de viver, alimentação e todos os cuidados à saúde. Parabéns pelo blog,com um linguagem explicativa bem acessível.
    E grata pela visita e por seguir , Sejam Muito Bem Vindos, e voltem sempre que quiserem, vou adorar!
    Grande Abraço e bj no coração!
    Lecy'ns

    ResponderExcluir
  2. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Azues. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Não existe qualquer legislação italiana que proíba o uso de panelas de alumínio nos restaurantes. A ABAL obteve declarações das entidades: European Aluminium Association – EAA, Associação de Metais da Itália – Assomet e Consulado Italiano em São Paulo, que confirmam a “inexistência” dessa legislação.

    ResponderExcluir